Festival livro na rua continua neste sábado

(foto:Ignácio Costa)

Jorge Luís Borges, que neste sábado completaria 120 anos de idade, se surpreendeu, durante uma entrevista conjunta com Ernesto Sábato, ao descobrir que alguns de seus livros eram vendidos em bancas de rua. Para o autor, confortável em ser um autor de poucos leitores, a ideia de que sua obra pudesse ter um apelo popular a ponto de ser vendido na rua era inusitada. Pode ter sido esse o momento em que ele descobriu que era um autor canonical.

Talvez o homenageado do FLIR 2019, Eduardo Frieiro, não sentisse tamanha surpresa. No Brasil e em Minas, percussores como Frieiro inovavam em busca de espaço para verem seus livros vendidos, e, ao contrário de Borges, Frieiro foi um autodidata, que afirmava ler tudo que encontrava quando criança, inclusive jornais jogados nas ruas.

Neste sábado, segundo dia de Festival Livro na Rua, quem não conhece bem Eduardo Frieiro terá a oportunidade de ouvir Maria da Conceição Carvalho, Cleber Araújo Cabral, Carlos Marcelo e Jacyntho Lins Brandão, às 11 horas, na Mesa Conhecendo Eduardo Frieiro, no espaço, O Brasileiro não é triste.

Essa não será a única atração do dia: teremos o começo da feira de expositores e artistas como Celso Adolfo, Olavo Romano, Frei Betto, a Academia Mineira de Letras e muito mais

Confira aqui a programação de sábado do Festival Livro na Rua.

O Festival livro na rua – FLIR 2019 é realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à cultura de Belo Horizonte e o patrocínio do Instituto Cultural Unimed, além do apoio da Academia Mineira de Letras, Globo, Comiteco Netmóveis e CDL-BH.

Serviço

FESTIVAL LIVRO NA RUA

Sábado

Horário: 10 horas às 21 horas no sábado

Local: Rua Fernandes Tourinho nos quarteirões entre Avenida Getúlio Vargas e rua Pernambuco.

#flir #festivallivronarua #livrarias

Compartilhe: